Cross-docking x Dropshipping: trabalhando com estoque terceirizado

Tanto o cross-docking quanto o dropshipping são estratégias para trabalhar com estoque terceirizado.

Muito utilizados por e-commerces, esses dois modelos de operação podem ser a solução para evitar grandes investimentos iniciais em formação de estoque, estrutura logística, mão de obra, além de permitir testar novos produtos, novos mercados e evitar os problemas tradicionais com aquisição e gestão de mercadorias.

Quer saber como cada sistema funciona na prática? Então leia a seguir.

O que é cross-docking?

O cross-docking é uma operação logística que visa concentrar os pedidos de diversos fornecedores em um só local, que normalmente é um operador logístico ou um centro de distribuição, onde serão descarregados, separados e consolidados para serem expedidos para o seu destino final, sem a formação de estoque.

A operação de cross-docking não envolve armazenagem. É como se fosse um local de trânsito que tem a função de agrupar e consolidar cargas vindas de diferentes fornecedores.

Para ser considerado cross-docking, as mercadorias não devem permanecer mais de 24 horas no armazém, embora tenham fornecedores que tolerem um prazo um pouco maior. Se a mercadoria permanecer por mais tempo, já será considerado uma operação de armazenagem, que terá outro custo.

Fluxo operacional do cross-docking

De modo genêrico, o fluxo operacional do cross-docking ocorre da seguinte forma:

  1. Empresa recebe o pedido de compra, confirma o pagamento e notifica os fornecedores das mercadorias;
  2. Fornecedores encaminham as mercadorias para o centro de distribuição indicado pela empresa;
  3. O centro de distribuição se encarrega da operação de descarga, separação, consolidação e expedição do pedido;
  4. O pedido é enviado ao cliente

Vantagens e desvantagens do cross-docking para o estoque terceirizado

Em relação ao mercado de comércio eletrônico, a principal vantagem do cross-docking é justamente poder executar uma operação de estoque terceirizado, com vários fornecedores, de forma mais personalizada

Por não trabalhar com formação de estoque, há também a redução de custos com a operação logística e a infraestrutura destinada para armazenagem, além da redução do risco de perdas, danos e avarias de mercadorias, ou prejuízos causados por falhas na gestão de compras, como produtos encalhados, ou obsoletos.

Entretanto, por incluir mais um elo na cadeia de distribuição, os riscos aumentam em relação ao prazo de entrega. Valores operacionais também aumentam, já que existem os custos do operador logístico e do transporte entre os fornecedores e o centro de distribuição.

Outro ponto a ser destacado é a alta complexidade da operação de cross-docking, que exige um minucioso orquestramento das atividades entre a empresa, os fornecedores e o centro de distribuição para que não haja falhas, nem atrasos.

O que é dropshipping?

Dropshipping, ou drop shipping, é uma modalidade de terceirização de estoque bastante utilizada por lojas virtuais, onde a empresa se posiciona como uma revendedora de produtos e o fornecedor é o único responsável por fazer o pedido chegar até o cliente, incluindo toda a operação logística, formação, gestão e manutenção de estoque.

Nesse modelo, muito popular entre os e-commerces que revendem produtos importados, como da China e dos EUA, a mercadoria não passa pelas mãos do lojista em nenhum momento. A empresa, então, pode se dedicar integralmente à comercialização e à divulgação dos produtos, da marca e ao atendimento dos consumidores.

Fluxo operacional do dropshipping

O fluxo operacional do dropshipping é simples. De maneira geral, os passos são os seguintes:

  1. A empresa recebe o pedido de compra e confirma o pagamento;
  2. A empresa notifica o fornecedor sobre a mercadoria vendida e informa os dados do cliente para envio
  3. O fornecedor prepara o pedido e envia diretamente ao cliente.

Nesse fluxo fica bem claro que toda a gestão de estoque, armazenagem, movimentação, picking, packing, expedição e transporte é de inteira responsabilidade do fornecedor.

Vantagens e desvantagens do dropshipping para o estoque terceirizado

Como visto, o fornecedor é a peça-chave para que os produtos cheguem ao cliente no prazo, integralmente e conforme o pedido. Além disso, é ele quem controla sua disponibilidade e reposição. Sendo assim, as principais vantagens e desvantagens desse modelo giram em torno dele, já que a loja não tem grande influência em relação ao estoque, aos processos logísticos e no preparo para a entrega das mercadorias.

A principal vantagem do dropshipping é, então, o baixo investimento inicial de aquisição e o baixo risco agregado para quem está começando, ou deseja testar uma nova gama de produtos, visto que todo o processo operacional e de aquisição de estoque, assim como possíveis perdas e prejuízos, ficam sob a responsabilidade do fornecedor.

Porém, também é por isso que a margem de lucro desse modelo de negócios é reduzida. Além do lojista comprar por pedido, o que torna o poder de barganha limitado, a operação e a gestão logística exigem um alto investimento, que é transferido para o valor do produto.

Conjuntamente a isso, problemas como atrasos na entrega, embalagem de má qualidade e avarias na mercadoria podem acontecer sem o conhecimento da empresa e manchar a reputação da marca. Por isso, a escolha de fornecedores de qualidade, comprometidos com altos níveis de serviço (SLAs) em todas as etapas do processo logístico e que cumpram com as suas obrigações, é de suma importância para a operação dar certo.

Também é necessário entender e acordar previamente as políticas de trocas, devoluções, disponibilidade de produtos, responsabilidades e deveres de cada parte.

Outra peça fundamental é a tecnologia aplicada à gestão entre a empresa e o fornecedor. Integrações com ERPs, WMS e TMS são importantes por permitirem uma gestão e um controle mais apurado sobre os pedidos. Se a operação for manual, as chances de erro se tornam muito maiores.

De um modo geral, é um modelo de negócios que oferece baixo risco, principalmente para quem está começando, gostaria de testar o comportamento de compra do seu público, não tem muito capital para investir e nem experiência em gestão de estoque.

Conclusão

Já deu para entender que em ambos os processos, tanto para o cross-docking quanto para o dropshipping, a escolha de fornecedores competentes e confiáveis é fundamental para a operação dar certo e a empresa prosperar.

Integrações de sistemas de gestão também são peças-chaves para não perder o controle e oferecer um bom nível de serviço ao cliente.

Agora, para escolher entre um modelo e outro, é importante avaliar os custos, benefícios e riscos envolvidos em cada operação e a disponibilidade de fornecedores qualificados para atender o seu modelo de negócios, na região em que deseja atuar.

Quer entender mais sobre estoque terceirizado e a operação de cross-docking? A Stokki escreveu artigos específicos sobre cada tema, para não restarem mais dúvidas:

O que é cross-docking? Leia aqui.

Estoque terceirizado: será que serve para o seu e-commerce? Leia aqui.

Caso a sua empresa precise contratar uma operação de cross-docking, fale com um de nossos especialistas que encontraremos a melhor solução para você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.